Reporting the underreported threat of nuclear weapens and efforts by those striving for a nuclear free world.

A project of The Non-Profit International Press Syndicate Group with IDN as flagship agency in partnership with Soka Gakkai International in consultative
status 
with ECOSOC.

 

Latin American and Caribbean Countries Support the Nuclear Test Ban - Portuguese

Países Latino-americanos e das Caraíbas Apoiam a Proibição dos Testes Nucleares

Por Reinhard Jacobsen

Foto: O Secretário Executivo Floyd da CTBTO encontra-se com o Primeiro-Ministro da Dominica, Roosevelt Skerrit. Crédito: CTBTO

VIENA (IDN) — A Comunidade de Dominica anunciou a sua decisão no início de fevereiro de aderir ao Tratado Abrangente de Proibição de Testes Nucleares; (CTBT) que proíbe a realização de explosões nucleares por parte de qualquer entidade, em qualquer lugar—na superfície da Terra, na atmosfera, em ambiente subaquático e subterrâneo. O Tratado foi assinado há 26 anos mas ainda não entrou em vigor.

O motivo: apesar de 185 países terem assinado o CTBT, dos quais 170 o ratificaram, 44 países específicos detentores de tecnologia nuclear ainda não o assinaram e ratificaram, incluindo três dos Estados com armas nucleares: a França, a Federação Russa e o Reino Unido.  Destes, oito ainda estão em falta: China, Egito, Índia, Irão, Israel, Coreia do Norte, Paquistão e os EUA. A Índia, a Coreia do Norte e o Paquistão ainda não assinaram o CTBT. O último Estado do Anexo 2 a ratificar o Tratado foi a Indonésia em 6 de fevereiro de 2012.

De acordo com a Organização do Tratado Abrangente de Proibição de Testes Nucleares (CTBTO), com sede em Viena, o compromisso da Dominica em assinar o CTBT, sublinha o reconhecimento universal do Tratado na América Latina e nas Caraíbas e destaca a liderança da região na não-proliferação e no desarmamento.

Após a assinatura e ratificação do CTBT por Cuba em fevereiro de 2021, a assinatura de Dominica significará que todos os 33 países da região serão Estados Signatários do Tratado.

"Isto marca uma nova era de parceria com a Dominica, e estou ansioso por reforçar ainda mais em conjunto a norma contra os testes nucleares", disse Robert Floyd, Secretário Executivo da CTBTO, que se encontrou com o Primeiro-Ministro do país das Caraíbas, Roosevelt Skerrit, em 7 de fevereiro

Floyd esteve na sua primeira visita à região desde que assumiu a CTBTO em agosto de 2021, após a Dra. Lassina Zerbo do Burkina Faso. A sua visita de 10 dias incluiu compromissos na Barbados, Dominica, Costa Rica e México, oferecendo uma oportunidade de aprofundar o envolvimento com parceiros-chave regionais.

A importância da visita é sublinhada pelo facto de os estados da América Latina e das Caraíbas serem defensores comprometidos e empenhados do CTBT e importantes parceiros técnicos da CTBTO, acolhendo 43 das 337 instalações do Sistema Internacional de Monitorização (IMS) da organização, e contribuindo com importante conhecimento técnico e científico para o sistema de alarme global concebido para detetar testes nucleares.

O Tratado de Tlatelolco (o Tratado de Proibição de Armas Nucleares na América Latina e as Caraíbas), que abriu para assinatura em 1967, estabeleceu a primeira zona-livre-de-armas-nucleares do mundo numa área densamente povoada.

Discursando no México num evento que assinalava a comemoração do 55.º aniversário do CTBT, Floyd salientou o papel integral da região na concretização da visão partilhada de um mundo livre de testes nucleares.

O Secretário Executivo da CTBTO, Floyd, afirmou: "A região da América Latina e das Caraíbas podem dignificar-se e ter orgulho da sua longa história de liderança na não-proliferação e desarmamento nuclear. Em breve, poderão também celebrar com orgulho e solidariedade quando todos os Estados desta região tiverem também ratificado o CTBT. Estados da América Latina e das Caraíbas, eu vos presto as minhas homenagens.”

Na Barbados, na primeira etapa da sua digressão, o Secretário Executivo encontrou-se com altos funcionários governamentais, incluindo o Ministro dos Negócios Estrangeiros e do Comércio Externo, Jerome Xavier Walcott, e manifestou o seu apreço pelo apoio diplomático do estado das Caraíbas ao CTBT.

Também explorou as iniciativas de criação de capacidades para a região das Caraíbas Orientais e dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (SIDS), e encontrou-se com peritos técnicos de várias agências governamentais para expandir a cooperação na utilização de dados da CTBTO na adaptação às alterações climáticas e na gestão do risco de catástrofes, num país afetado por tempestades tropicais e furacões.

Na sequência da sua visita à Barbados e à Dominica, Floyd viajou para a Costa Rica, que acolhe a estação sísmica auxiliar do CTBTO AS25 em Las Juntas de Abangares, supervisionada pelo Observatório Vulcanológico e Sismológico do país, OVSICORI.

"Fiquei impressionado com a profundidade da capacidade técnica e da diplomacia ativa neste país", disse ele, elogiando os esforços da Costa Rica em prol da não-proliferação de armas. "Também me sinto encorajado a conhecer uma visão, que é sobre uma forte implementação doméstica das responsabilidades.

Convivendo com estudantes e funcionários da Universidade para a Paz, apoiada pelas Nações Unidas, em San José, Floyd aderiu à longa tradição de plantar uma ‘corteza amarilla’, uma árvore de madeira nativa da região, como símbolo do envolvimento da CTBTO na educação e empoderamento da próxima geração.

O último destino de Floyd foi o México, onde proferiu um discurso num evento organizado pela Agência para a Proibição de Armas Nucleares na América Latina e nas Caraíbas (OPANAL) para assinalar o 55.º aniversário do Tratado de Tlatelolco.

"O que considero mais poderoso no Tratado de Tlatelolco é que ele permite aos países da região falarem a uma só voz sobre a questão do desarmamento nuclear e da não-proliferação, tal como trabalharem em conjunto para promoverem a segurança coletiva, a educação e a formação em matéria de desarmamento", disse ele.

O chefe da CTBTO encontrou-se também com o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Marcelo Ebrard, um antigo apoiante do CTBT, para discutir o empenho do México em fazer avançar a universalização e a entrada em vigor do Tratado. O país acolhe cinco instalações do IMS: três sísmicas auxiliares, uma hidroacústica e uma estação de radionuclídeos com sistema de gases nobres.

No Instituto Matias Romero, que educa e forma diplomatas mexicanos, Floyd discutiu o ponto da situação do CTBT e a arquitetura global de não-proliferação e desarmamento nuclear. [IDN-InDepthNews — 25 de fevereiro de 2022]

Foto: O Secretário Executivo Floyd da CTBTO encontra-se com o Primeiro-Ministro da Dominica, Roosevelt Skerrit. Crédito: CTBTO